+35
°
C
+38°
+27°
Teresina
Segunda, 07
Tera
+37° +21°
Quarta
+38° +22°
Quinta
+38° +23°
Sexta
+37° +27°
Sbado
+37° +25°
Domingo
+36° +26°
Ver Previso 7 Dias

PRODUTOS HORTIFRUTIS PREVINEM DOENÇAS CRÔNICAS

PRODUTOS HORTIFRUTIS PREVINEM DOENÇAS CRÔNICAS

ABASTECIMENTO

Dentre tantos alimentos benéficos ao corpo, existem alguns capazes de prevenir doenças crônicas como diabetes, obesidade, problemas de coração e hipertensão.

A busca por uma dieta equilibrada, rica em nutrientes e vitaminas é essencial para manter uma boa saúde. Combinada aos exercícios físicos potencializa a eficácia de seu bem estar.

Para que você conheça mais sobre tais alimentos que auxiliam no cuidado de algumas doenças, preparamos uma lista com alguns deles.

Assim você poderá conhecê-los melhor e inclui-los no seu dia a dia. Confira:

Água de coco

Ela é rica em potássio, sódio, fósforo, vitamina C, magnésio, cálcio, entre outros nutrientes. Atua também na proteção contra cãibras e aumenta o desempenho físico.

Abacate

A fruta é responsável pelo controle dos níveis de LDL (colesterol ruim) e HDL (colesterol bom). Também tem a função de proteger o coração, evitando dessa forma doenças cardíacas e o acidente vascular cerebral.

Vegetais verdes escuros

Possui alta quantidade de vitaminas A, C, K, ácido fólico, ferro, e magnésio. O ferro encontrado em vegetais desse tipo melhora o funcionamento intestinal e o perfil do colesterol. Eles também ajudam na ação preventiva da anemia, doenças cardiovasculares e osteoporose.

Grãos integrais

Os grãos são considerados uma fonte de vitaminas, minerais e ricos em fibras e ômega 3, que atuam no controle da glicose sanguínea e no controle do colesterol do corpo. Melhoram também a função intestinal e proporcionam a sensação de saciedade.

Frutas avermelhadas

As frutas com tons avermelhados possui substâncias anti-inflamatórias como vitaminas do complexo B, vitamina C, selênio e zinco. Atuam reduzindo o envelhecimento celular – devido ao licopeno presente em alimentos avermelhados – e os riscos de doenças cardíacas

JORNAL DO CENTRO/SP

DO TAMANHO DO BRASIL

25.05.16

ABASTECIMENTO

A melhor decisão desta semana para a NAÇÃO BRASILEIRA, já repercute nas Redes Sociais com ilustrações de deboche ao amadorismo das manobras administrativas do DESGOVERNO DE MICHEL TEMER (PMDB/SP), e seus DESATRES na gestão federal. 

No dia 25.07.17 (Terça - Feira), a Justiça Federal no Distrito Federal suspendeu liminarmente os efeitos do decreto presidencial para aumento do PIS/Cofins sobre combustíveis,anunciado pelo governo federal na ultima semana.

A sentença veio pelas mãos do juiz Dr. Renato Borelli, que alega o atrevimento da União em desrespeitar o princípio de legalidade tributária, previsto na Constituição Federal de 1988, em seu artigo: 150, I da CF/88 e arts.3 e 97, I e II do CTN. 

Para o magistrado, "não é permitido aumento de tributo senão por meio de LEI." 

Ele ressalta, na decisão, que LIMINAR  “tem como conseqüência o imediato retorno dos preços dos combustíveis, praticados antes da edição da norma”. 

O princípio da Legalidade tributária delimita que a criação e a majoração de tributo somente poderão ser feitas através de Lei. Segundo Hugo de Brito Machado (2015, p.196): 

“O princípio da legalidade pode ser entendido em dois sentidos, a saber:

A) O tributo deve ser cobrado mediante o consentimento daqueles que o pagam;

B) O tributo deve ser cobrado segundo normas objetivamente postas, de sorte a garantir plena segurança na relações entre o fisco e os contribuintes. 

Portanto, somente a LEI, competência primária do LEGISLATIVO, poderia, assim, instituir ou majorar tributos. 

A LEI Ordinária é a regra geral para majoração e criação de tributos, devendo ser obedecidas as regras a ela inerentes (maioria simples, art. 47 da CF/88). 

Já a Lei Complementar restringe-se a criação ou majoração de quatro tributos federais, quais sejam: Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), Empréstimos Compulsórios (EC), Impostos Residuais e as Contribuições Residuais da Seguridade Social. 

Um ponto que merece destaque é a mitigação exercida pelo EXECUTIVO acerca dessa limitação ao poder de tributar. 

O art. 153, §1º da CF/88 diz que: 

 “É facultado ao Poder Executivo, atendidas as condições e os limites estabelecidos em lei, alterar as alíquotas dos impostos enumerados nos incisos I, II, IV e V”. 

Os quatro impostos citados no dispositivo constitucional são: II, IE, IPI e IOF. 

Além disso, a EC nº 33/01 estendeu esse rol de tributos, adicionando mais dois à lista de mitigações ao princípio da legalidade: ICMS- combustível e CIDE- combustível. 

Todavia, no que tange a esses dois últimos, as alterações nas suas alíquotas só poderão ser diminuídas ou restabelecidas. 

Na integra, o juiz federal Dr. Renato Borelli, foi bastante enfático na sentença que diz o seguinte: 

“Não pode o Governo Federal, portanto, sob a justificativa da arrecadação, violar a Constituição Federal, isto é, violar os princípios constitucionais que são os instrumentos dos Direitos Humanos." 

Portanto, o instrumento legislativo adequado à criação a a majoração do tributo é, sem exceção, a Lei, não se prestando a tais objetivos outras espécies legislativas”, diz o texto. 

A decisão ainda ressalta que a Constituição veda a cobrança do tributo antes de decorridos 90 dias da publicação da LEI. 

Para o juiz, tal medida frustra o planejamento tributários dos contribuintes. 

Ele ressalta que: "No próprio STF (Supremo Tribunal Federal),há muito manifestou-se no sentido de que o princípio da anterioridade é garantia individual do contribuinte”.

Procuradapela reportagem do JORNAL DO CENTRO em Brasília, a AGU (Advocacia-Geral da União), informou que vai recorrer da decisão. 

Para a assessoria jurídica do DESGOVERNO FEDERAL, a AGU afirma que a LIMINAR FEDERAL só tem efeito a partir do momento em que o governo for notificado. 

QUEM MOTIVOU A DECISÃO DA JUSTIÇA FEDERAL: 

A AÇÃO CONTRA O AUMENTO DO PREÇO DOS COMBUSTÍVEIS FOI DE INCIATIVA POPULAR, que questionou a MEDIDA TOTALITÁRIA do percentual de IMPOSTO aplicada pelo DESGOVERNO FEDERAL “superior aos índices oficiais” e pontua que não há situação excepcional que justifique a intervenção do Estado na economia. 

Em meio à uma crise nas receitas e com risco de não conseguir fechar a conta, o governo anunciou na semana passada a majoração de PIS/Cofins de gasolina, etanol e diesel. 

Segundo estimativas do governo, a medida deve representar, em média, um aumento de 7% no combustível para o consumidor e vai render aos cofres públicos R$ 10,4 bilhões. 

Na decisão, o juiz ressaltou que “a arrecadação estatal não pode representar a perda de algum Direito Fundamental, não podendo haver, portanto, aporia entre a necessidade de arrecadação e os direitos fundamentais constitucionais do cidadão”. 

JORNAL DO CENTRO

DO TAMANHO DO BRASIL

BRASÍLIA/DF

27.07.17

" />